como me tornei escritora
Escrita

Como eu me tornei escritora

Ainda criança, um dos meus sonhos era me tornar escritora.

Segundo o dicionário, escritora é “aquela que escreve”. Não específica o quê. Ou seja, eu poderia ser uma escritora escrevendo artigos científicos ou poesias no guardanapo. Bastava escrever. Sem mais discussões sobre isso.

No entanto, ninguém me falou sobre a parte difícil disso…

Para ser escritora, é preciso amar o ato de escrever.

Bom, eu acredito que o amor é uma construção e exercício diário. A gente não começa a amar do nada. Foi assim comigo e a escrita também: devagarinho, entre tapas e beijos. Não lembro quantos anos tinha quando comecei a “escrever” em formas de quadrinhos para contar as milhares de histórias que inventava. E eu inventava muitas.

O vício pela leitura

Eu tinha vários amigos imaginários que ouviam essas minhas histórias – uma delas, inclusive, foi a responsável pela minha quase internação aos 6 anos, quando derrubei chá quente na barriga. A partir deste dia, me tornei um pouco mais responsável em relação a esses meus amigos – e também com a minha forma de contar as histórias.

Veja, eu gostava de escrever em todos os momentos. Cartinhas de amor, recadinhos de desculpas para minha mãe, atividades escolares. Mas eu não lia quase nada, e isso foi até uns 8 anos quando um livro me chamou atenção. Estranhas Luzes no Bosque, de Stella Carr, parecia ser um livro de terror, e eu, mesmo nova, já tinha gosto pelo gênero.

Antes mesmo de começar a leitura, tinha receios quanto ao livro. 120 páginas. Pensava que era muita coisa. Acreditava que jamais conseguiria. No entanto, fiz do meu medo, um desafio.

Antes de ser escritora, eu era uma leitora

Todos os dias eu lia um pouquinho. Lembro que quando li cerca de 40 páginas e contei feliz ao meu irmão mais velho. Era uma vitória pra mim, tão nova, tão pequena, ler tantas páginas de um livro que quase não possuía figuras.

Após finalizar o livro, comecei a gostar de ler. Vi que não era difícil, somente demorado. E continuei a ler sempre que podia. Lia de tudo um pouco. A biblioteca passou a ser meu lugar favorito no mundo. 

O primeiro filme que assisti no cinema foi Harry Potter e a Câmara Secreta. Amava o bruxinho e sua turma. Tinha todos os DVD’s lançados até aquele momento, e no auge dos meus 11 anos, decidi que era hora de ler os livros. Por sorte, tinha alguns na biblioteca da escola. Mas o sexto livro estava emprestado, e eu louca para ler a continuação. 

Por isso, passei a cometer um crime: pirataria. Descobri que era possível ler livros através do computador e foi assim que nunca mais parei. Para quem na época não tinha dinheiro para gastar com livros, era a única opção possível. Atualmente, é uma prática que não estimulo (em breve escrevo sobre o motivo, mas contei tudo no meu instagram!).

Escritora de fanfics

Em minhas experiências com PDF’s, conheci as famigeradas fanfics, que são histórias fictícias criadas por fãs. Eu era fã de Jonas Brothers, uma banda muito famosa quando tinha meus 10/11 anos. E como a maioria das fãs adolescentes, eu tinha uma paixonite por um dos integrantes da banda. O próximo passo, após ler tantas fanfics, foi escrever as minhas próprias histórias

Durante um ano e pouco, escrevi e li sem parar. Chegava da escola e me sentava no computador, onde começava a ler e quando estava inspirada, escrevia sobre como seria um romance com Joe Jonas.

Porém, nem tudo são flores. Minha rotina virou ler fanfics e escrevê-las. Algo que me fazia bem se transformou em preocupação pra minha família. Neste momento, minha vida virou de cabeça para baixo. Troquei de escola, fiquei longe das amigas, do computador. Dessa vez, deixei meus medos afetarem minha força e não escrevi mais

Um dos meus maiores problemas, até hoje, é escrever quando estou triste. A tristeza não me desafia; ela me desmotiva, me derruba, me mata. Queria eu ser como tantos escritores e fazer desse sentimento, poesia. Como não sou, resta me recolher, assistir séries e dormir nesses momentos.

Um tempo depois as coisas voltaram ao normal. Percebi que não era lida por muitas pessoas, mas não pela história ser ruim (ok, às vezes era por isso), e sim porque escrevia terrivelmente mal.

Ah! Escrever bem não é dom. Ninguém nasce sabendo escrever “bem” ou contando boas histórias. Isso também é exercício, é prática!

Para chegar ao ponto de me tornar uma escritora satisfeita com meus próprios trabalhos, estudei e escrevi muito.

Melhorando a escrita

Para escrever melhor, meti a cara nos dicionários. Me tornei uma das melhores alunas em Português, mesmo não sendo fã da matéria, porque era do meu interesse aprender e, por consequência, escrever bem. 

Stephen King, o melhor escritor de horror de todo o Planeta, também praticou muito antes de se tornar mundialmente conhecido. No livro Sobre a Escrita ele conta que enviou vários de seus contos para revistas, e como foi recusado durante anos. Ele não parou por isso. Assim, eu soube que uma das maiores habilidades de um escritor é a resiliência.

Aprendi com o King que ninguém nasce sabendo escrever. Assim, há cerca de um ano venho estudando técnicas de escrita, refinando histórias antigas e cultivando o hábito de escrever. Nano Fregonese me ajudou muito nisso: fiz todos os seus cursos sobre escrita. Recomendo! 🙂

E claro, como resultado de tanto esforço, consegui escrever o meu primeiro livro, Vertigo. Foram seis meses puxados de pesquisa, estudos e escrita, mas realizei umas das metas de 2019.

Eu me tornei escritora ao escrever

Desde os 11 anos não parei de escrever. E hoje, aos 23 anos, decidi ser como King e colocar a cara no sol. Compartilhar com o mundo o pra mim é muito mais que literatura; é combustível para me manter sã durante o dia e a noite. 

Como eu disse, o amor é construído. Muitas vezes, durante anos e anos. Mas uma hora, explode dentro da gente e fica impossível não deixar sair.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
5 Comments
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
victor broering
1 year ago

Posta uma fã de Jonas Brothers antiga, eu adoraria ler

Ana Clara de Andrade Haut
Ana Clara de Andrade Haut
1 year ago

Linda Mari!Gostei de ler você,pois prende atenção te muito sentimento…Parabéns!Muito sucesso!!!

Bettina Winkler
9 months ago

Como sempre, você é uma inspiração 💜

5
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x